sábado, 3 de junho de 2017

SEXTA NO BAR


   
    Da mesa onde Zemané estava se via um belo par de pernas de quem, mesmo com saia curta, não se aquietava conversando com as amigas. Batata frita, meia garrafa de vodca e algumas latas de energético faziam das quatro um bando nada reverente. Uma delas falava tão alto que mal se ouvia a música ao passo que a mais espevitada se deitava na mesa para fazer fofoca de alguém do bar. Zemané se contorcia para não ser pego olhando e assim continuar se fartando com o que mais lhe enchia os olhos. Quando a morena se levantou para ir ao banheiro, duas outras a acompanharam, enquanto à dona das belas pernas restava guardar os lugares na mesa. Zemané se excitava com as pernas da garota que uma hora as tinha cruzadas e em outra as afastava o suficiente para que suas calcinhas, se é que as tinha vestido, ficassem a mostra de quem tivesse, como Zemané, o privilégio de sentar-se ali. Nervoso com o que via Zemané resolveu puxar assunto com ela. Chegou como quem não quer nada para dizer, abaixando-se sobre a mesa, que ela era a garota mais linda que já tinha visto e que a sua presença valorizava o lugar até então frequentado por quem só queria espairecer. Marcinha, acostumada com todo o tipo de assédio, inclusive os mais atrevidos, ficou apaixonada com o respeito e cuidado com que foi abordada. Por isso, depois de dizer o seu nome e saber o dele, perguntou se não queria sentar-se com elas, o que o jovem de pronto aceitou. 
A madrugada tinha chegado quando as meninas chamaram para ir embora. Zemané pagou a conta e decidiu levá-las, cada uma, à casa dela, deixando por último Marcinha com quem se entendeu e que mal se aguentava acordada. Prometendo as amigas que entregaria a menina à família Zemané levou sua caça a um motelzinho na esperança dela dormir um pouco para se recuperar. Zemané não gostava de fazer amor sem a participação da companheira, por isso assistia TV enquanto a moça dormia. Eram 10h da manhã quando o interfone tocou para avisar que o prazo de seis horas já tinha vencido e que ele precisava entregar o quarto ou pagar por uma nova "diária". Nesse momento foi que Zemané percebeu que estava sozinho na cama. Na cama e no resto do quarto, já que a garota por quem nutrira todos os desejos, mas por quem teve o maior respeito, meteu o pé, foi embora. Vazou levando o que ele tinha de valor, inclusive o carro que foi encontrado num shopping daquela cidade. Zemané não fez questão de nada que ela tinha levado, mas achou-se um grande idiota ao esperar que a moça que o encantara com o seu lindo par de pernas, melhorasse para com ele fazer o mais gostoso de todos os amores.

Um comentário:

  1. Great post!

    You have a nice blog!

    Would you like to follow each other? Let me know on my blog with a comment! ;oD

    Have a great day!

    xoxo Jacqueline
    www.hokis1981.com

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.