quinta-feira, 20 de abril de 2017

COM MUITA HONRA.

     Na calçada em frente a um depósito de bebida os vendedores vão saindo para trabalhar. Se alguém me pega olhando, enquanto passo, respondo com um aceno de cabeça em cumprimento. Mal sabem que durante anos eu fiz parte daquela trupe e graças a estrutura da empresa e a generosidade do patrão eu estudei e me formei doutor em leis. No final dos meus estudos meu pai montou um escritório, que seria meu, num espaço vago da sua casa.  Diploma em baixo do braço, aperto no peito e na mão uma carta de rescisão que o meu patrão não aceito. Deu-me em troca, além do abraço arrojado e palavras de encorajamento, valores que jamais pensei ter direito. E como sabemos Internet não havia naquele tempo, por isso os anúncios dos meus serviços eram postados nas páginas amarelas e foi através delas que alguém me contatou.  Eufórico pedi que viesse à minha sala. Assim que o vi percebi que o sujeito era um tipo conhecido, mas o que mais me chamou a atenção foi o nome da empresa que queria acionar. Tratava-se da mesma onde  trabalhei, ganhei meu dinheiro, respeitei e fui respeitado. Como poderia processar pessoas dignas e que tanto fizeram por mim e por muitos que por lá passaram, como aquelas? Quando nos despedimos prometi encaixá-lo na minha agenda, mas ligaria para os detalhes.  Gente, se eu me comprometesse com certeza me esforçaria para ganhar a causa, e se ganhasse alguém tiraria uma foto que se transformaria num post e certamente iria para o alto da parede atrás de mim. Depois eu, com o peso na consciência, ficaria sem dormir o resto da minha vida. 
Dei uma desculpa aos meus pais e fui à casa de um amigo onde fiquei aquele resto de semana.  Na segunda feira me inscrevi no vestibular da USP onde há dois anos me formei em jornalismo.   
- Como jurista talvez não comentasse o fato, mas como escritor me arrisco falar dos outros, inclusive das minhas fraquezas.